Noveleiros de plantão

A nova novela das 20h (que na verdade é as 21h), estreiou ontem em clima morno. A Favorita quebra com a tradição da Rede Globo de estréias superproduzidas, com grandes efeitos, cenários deslumbrantes, viagens aos exterior, enfim muito “dindim” gasto. A Folha de São Paulo Online caracteriza o primeiro capítulo como fraco, mas empolgante.

A empolgação se dá somente, ao meu ver, com o drama estabelecido entre as protagonistas Patricia Pillar (Flora) e Claudia Raia (Donatella), que ao que parece irão lutar pela confiança da filha, Mariana Ximenes, durante toda a exibição da novela.

Outro núcleo interessante é dos veteranos Tarcísio Meira (Copola) e Mauro Mendonça (Gonçalo Fontini), que apesar de inimigos têm uma certa simpatia um pelo outro. Característica que se diferencia dos rivais que estamos acostumados a ver nas novelas, que “se pegam” até o último capítulo, no qual se reconciliam (como Célia Mara e Branca, de Duas Caras).

Falando em veteranos, dessa vez eles são privilegiados pela tecnologia da HDTV que suaviza suas ruguinhas. Saiba mais!

 

Pra descontrair sem deixar de se preocupar!

Segundo o Ministério da Saúde devem-se seguir os 10 passos para uma alimentação saudável para idosos:

1º passo: Aumente e varie o consumo de frutas, legumes e verduras. Coma-os 5 vezes por dia.

2º passo: Coma feijão pelo menos 1 vez por dia, no mínimo 4 vezes por semana.

3º passo: Reduza o consumo de alimentos gordurosos, como carne com gordura aparente, salsicha, mortadela, frituras e salgadinhos, para no máximo 1 vez por semana.

4º passo: Reduza o consumo de sal. Tire o saleiro da mesa.

5º passo: Faça pelo menos 3 refeições e 1 lanche por dia. Não pule as refeições.

6º passo: Reduza o consumo de doces, bolos, biscoitos e outros alimentos ricos em açúcar para no máximo 2 vezes por semana.

7º passo: Reduza o consumo de álcool e refrigerantes. Evite o consumo diário. A melhor bebida é a água.

8º passo: Aprecie a sua refeição. Coma devagar.

9º passo: Mantenha o seu peso dentro dos limites saudáveis.

10º passo: Seja ativo. Acumule 30 minutos de atividade física todos os dias. Caminhe no seu bairro. Não passe muitas horas assistindo TV.

Lembre-se de que não existe o mito em que o idoso “come menos” ou “não tem apetite”. Uma alimentação saudável depende de quão prazerosa se torna esta atividade. Independente de patologias que necessitam de dietas, como hipertensão arterial, diabetes ou colesterol alto, ou dificuldades impostas pela sua idade, procure um profissional de saúde que estará apto a reconhecer tais obstáculos e ajudá-lo a manter a melhor qualidade de vida possível e merecida por você.

 

Bico de papagaio – Atinge em sua maioria pessoas com mais de 50 anos

Estava com minha vovó assistindo à novela das oito hoje, e percebi que ela não conseguia ficar em uma posição só. Perguntei se estava tudo bem e ela me respondeu que o “bico” dela não estava de bom-humor hoje. 

 Conhecida popularmente por bico de papagaio, a osteofitose é uma formação óssea anormal muito freqüente, produzida na proximidade das articulações das vértebras. O problema é responsável por dores fortes na região afetada e limitações de movimentos. Sedentarismo, má postura, falta de cuidados com a coluna e sobrepeso são as causas mais comuns do bico de papagaio.

Médico e especialistas indicam a hidroginástica e alongamento, como principais exercícios para prevenção e alívio das dores. Tire todas as dúvidas no “Portal da Coluna” .

Rubem Alves e a velhice

Ontem na Folha de São Paulo, Rubem Alves, excelente cronista que é tratou pessoal e carinhosamente o tema velhice. A crônica sobre quando se deparou com a velhice pela primeira vez nos faz refletir sobre o tratamento com os idosos, velhos, pessoas na melhor idade, velhinhos, maduros…

Folha de São Paulo, 27 de Maio de 2008. Cotidiano

Gestos amorosos

“Idoso” é palavra de fila de banco e de supermercado; “velho”, ao contrário, pertence ao universo da poesia

DEI-ME CONTA DE que estava velho cerca de 25 anos atrás. Já contei o ocorrido várias vezes, mas vou contá-lo novamente. Era uma tarde em São Paulo. Tomei um metrô. Estava cheio. Segurei-me num balaústre sem problemas. Eu não tinha dificuldades de locomoção. Comecei a fazer algo que me dá prazer: ler o rosto das pessoas.
Os rostos são objetos oníricos: fazem sonhar. Muitas crônicas já foram escritas provocadas por um rosto -até o mesmo o nosso- refletido no espelho. Estava eu entregue a esse exercício literário quando, ao passar de um livro para outro, isto é, de um rosto para outro, defrontei-me com uma jovem assentada que estava fazendo comigo aquilo que eu estava fazendo com os outros. Ela me olhava com um rosto calmo e não desviou o olhar quando os seus olhos se encontraram com os meus. Prova de que ela me achava bonito. Sorri para ela, ela sorriu para mim… Logo o sonho sugeriu uma crônica: “Professor da Unicamp se encontra, num vagão de metrô, com uma jovem que seria o amor de sua vida…”
Foi então que ela me fez um gesto amoroso: ela se levantou e me ofereceu o seu lugar… Maldita delicadeza! O seu gesto amoroso me humilhou e perfurou o meu coração… E eu não tive alternativas. Como rejeitar gesto tão delicado! Remoendo-me de raiva e sorrindo, assentei-me no lugar que ela deixara para mim. Sim, sim, ela me achara bonito. Tão bonito quanto o seu avô…
Aconteceu faz mais ou menos um mês. Era a festa de aniversário de minha nora. Muitos amigos, casais jovens, segundo minha maneira de avaliar a idade. Eu estava assentado numa cadeira num jardim observando de longe. Nesse momento chegou um jovem casal amigo. Quando a mulher jovem e bonita me viu, veio em minha direção para me cumprimentar. Fiz um gesto de levantar-me. Mas ela, delicadíssima, me disse: “Não, fique assentadinho aí…” Se ela me tivesse dito simplesmente “Não é preciso levantar”, eu não teria me perturbado. Mas o fio da navalha estava precisamente na palavra “assentadinho”. Se eu fosse moço, ela não teria dito “assentadinho”. Foi justamente essa palavra que me obrigou a levantar para provar que eu era ainda capaz de levantar-me e assentar-me. Fiquei com dó dela porque eu, no meio de uma risada, disse-lhe que ela acabava de dar-me uma punhalada…
Contei esse acontecido para uma amiga, mais ou menos da minha idade. E ela me disse: “Estou só esperando que alguém venha até mim e, com a mão em concha, bata na minha bochecha, dizendo: “Mas que bonitinha…” Acho que vou lhe dar um murro no nariz…”
Vem depois as grosserias a que nós, os velhos, somos submetidos nas salas de espera dos aeroportos. Pra começar, não entendo por que “velho” é politicamente incorreto. “Idoso” é palavra de fila de banco e de fila de supermercado; “velho”, ao contrário, pertence ao universo da poesia. Já imaginaram se o Hemingway tivesse dado ao seu livro clássico o nome de “O idoso e o mar”? Já imaginaram um casal de cabelos brancos, o marido chamando a mulher de “minha idosa querida”?
Os alto-falantes nos aeroportos convocam as crianças, as gestantes, as pessoas com dificuldades de locomoção e a “melhor idade”… Alguém acredita nisso? Os velhos não acreditam. Então essa expressão “melhor idade” só pode ser gozação.

 

Participe!

Qual é a sua opinião sobre o assunto?

Como quer ser chamado? Se sente ofendido ou chatiado com algum tratamento?

Viagem no tempo

Vistitando o blog de colegas (dos quais não consegui achar seus nomes) da faculdade, fiquei surpresa ao ler um post muito interessante no Lugares Incomuns . É um blog que pretende “mostrar restaurantes, bares e baladas que estejam fora do censo comum”, segundo os autores (as). Mas por quê surpresa? Porque nunca pensei que pudesse existir um lugar tão Do Balacobaco! Aqui pertinho, em Mairiporã existe um complexo de lojas, restaurantes, bares, ateliês… chamado Velhão.

“Cercadas de verde, as construções são todas em material de demolição reciclado, num estilo que quase lembra cidadelas”. Nunca visitei, infelizmente, o complexo, mas essa frase do site do Velhão parece descrever bem o que é o lugar.

Moacyr Archanjo dos Santos, construtor do Velhão, é desde criança apaixonado por arquitetura e materiais de demolição. O sonho que construiu tem a ver com sua vontade de viver em outra época e de visitar lugares históricos.

Das 9 lojas descritas no site do complexo, chamaram-me a atenção as seguintes:

Dilicias de Chocofati – seus produtos são guloseimas (trufas, compotas caseiras, geléias, brigadeiros, conservas de alcachofras, berinjelas, sardelas, doces diversos), licores (milho, figo, morango, pequi, menta avelã, limoncello, morango cremoso, café, leite, amêndoa, aniz, cereja, ama-a-Hula, chocolate e muitos outros), cachaças artesanais, entre outras bonitas delícias.

 

 

Café – Arte em confeitos – “Venha tomar um café fresco e com aroma, após o seu almoço”

 

 

 

 

Quer saber? Entre no site, porque é muito bem feito e eles possuem fotos em 360º, um jeito 3D de ver o lugar. Fiquei fascinada! Espero que gostem.  

Remédio pode reduzir risco de Alzheimer

A Doença de Alzheimer (DA) é degenerativa, progressiva  e compromete o cérebro causando a diminuição da memória, a dificuldade no raciocínio e pensamento e alterações comportamentais.

Considerada como uma doença rara tem um efeito devastador sobre a família e o doente.

A DA pode declarar-se a partir dos 40 anos, mas é a partir dos 60 que se verifica a sua maior incidência.

Os sintomas mais comuns são a perda gradual da memória, declínio no desempenho das tarefas quotidianas, diminuição do raciocínio crítico, desorientação temporal/espacial, mudança na personalidade, dificuldade na aprendizagem e na área da comunicação.

O uso prolongado do remédio ibuprofeno pode reduzir o risco de Alzheimer, segundo um estudo de pesquisadores da Escola de Medicina da Universidade de Boston, nos Estados Unidos.

Dados de quase 250 mil pacientes mostraram que aqueles que usaram o remédio por mais de cinco anos tinham reduzido em mais de 40% a chance de desenvolver a doença.

O estudo, publicado na revista científica “Neurology”, também afirma que remédios do mesmo tipo, conhecidos como medicamentos antiinflamatórios não-esteroidais (NSAIDs, na sigla em inglês) podem ter um efeito semelhante.

Especialistas afirmaram que os resultados são interessantes, mas alertaram que as pessoas não deveriam intensificar o uso do remédio com o objetivo de reduzir o risco de ter Alzheimer.

Fonte: http://180graus.brasilportais.com.br/gente/estudo-indica-que-remedio-pode-reduzir-risco-de-alzheimer-6210.html

Saiba mais sobre a DA:

Parte 1:

Parte 2:

Este vídeo emocionante chama a atenção singelamente à ignorância em relação à doença. Os 4 minutos deste testemunho de uma mulher com Alzheimer valem à pena.

 

Hebe Camargo comemora 79 anos – Graçinhaaa!!

Apresentadora Hebe Camargo faz 79 anos e já planeja uma comemoração em grande estilo para seus 80 anos. A primeira-dama da Tv recebeu uma homenagem da Revista Isto, e de seus amigos mais próximos em sua casa.

A revista publicou uma matéria especial com Hebe que mostrou sua casa, seus animais de estimção e ainda contou como conseguiu chegar onde está e que até pensa em namorar novamente.

Para ler a matéria na íntegra acesse o link

Assista um trecho da entrevista de Hebe Camargo, Lolita Rodrigues e Nair Bello feita por Jô Soares no ano 2000. Além de divertidas elas são chamadas de “As 3 Mosqueteiras” pelos amigos.

Por Paulinha mini